Menu

Trabalhadores do ABC e SP decretam greve no dia 19 contra “reforma” da previdência

Assembleia dos Motoristas de Ônibus de São Paulo reuniu mais de 4 mil trabalhadores na quadra dos bancários no dia 07/02 Assembleia dos Motoristas de Ônibus de São Paulo reuniu mais de 4 mil trabalhadores na quadra dos bancários no dia 07/02

Profissionais de diferentes categorias estão decretando greve no dia 19 contra a “reforma” da previdência. Em São Paulo e no ABC paulista, motoristas e metalúrgicos já anunciaram a paralisação.

Na quarta-feira (7), várias outras categorias regionais, parlamentares municipais, estaduais e federais, movimentos sociais e populares estiveram presentes na assembleia popular dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo, que deflagrou a greve para barrar a proposta de “reforma”, prevista para ser votada entre os dias 20 e 28, como anunciou o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

“É greve dia 19! Se a gente não fizer luta em cada canto desse pais eles vão aprovar a reforma da previdência, que não só acaba com a aposentadoria, mas também desampara os trabalhadores e trabalhadoras nos casos de acidente de trabalho”, destacou o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre.

Ele anunciou o resultado da assembleia dos trabalhadores em transportes de São Paulo, que no mesmo dia aprovaram a greve. “Em cada canto desse país acontecem assembleias de várias categorias para também deflagrar greve! ”

Nobre também informou o resultado da reunião que a CUT e demais centrais tiveram com o deputado Rodrigo Maia nesta quarta (7) para pedir a retirada da proposta da reforma da Previdência da pauta do Congresso Nacional e alertou: “o recado do governo foi bem claro: quando tiverem os 308 votos necessários para aprovar a proposta da ‘deforma' da Previdência vai ser votada e aprovada. Estão ameaçando tirar recursos federais de prefeitos, governadores e vereadores caso não pressionem os deputados para aprovar a reforma”, denunciou.

Governo mexe novamente no texto para forçar a aprovação

No desespero para votar a reforma da Previdência, o relator da proposta, deputado Artur Oliveira Maia (PPS-BA), foi curto e grosso ao apresentar aos jornalistas, na quarta-feira (7) as mudanças de alguns itens no texto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287, que restringe o acesso à aposentadoria.

Segundo ele, três trechos serão modificados, referentes a trabalhadores rurais, dependentes de policiais mortos em serviço e pessoas contempladas com o Benefício de Prestação Continuada (BCP). Mas o parlamentar deixou claro que outras alterações não estão descartadas e poderão ser feitas durante discussão e possível votação a matéria no plenário da Câmara, “contanto que o recuo do governo resulte em votos favoráveis para a aprovação da proposta”.

Com informações de Central Única dos Trabalhadores
Foto: Roberto Parizotti/CUT

voltar ao topo