Menu

Audiências na Alesp discutem privatização e futuro de universidades federais

A quinta-feira do dia 19 de setembro foi de grande movimento para o SINTPq na Assembleia Legislativa de São Paulo. A agenda teve início com a audiência pública da Frente em Defesa da Soberania Nacional e Contra a Privatização e culminou com a reunião da Frente Parlamentar em Defesa das Instituições Públicas de Ensino. Ambos eventos contaram com a participação de diretores do sindicato.

A mesa contra a privatização uniu deputados, senadores, líderes sindicais e população para discutir e apresentar planos contra a desestatização de empresas como os Correios, Caixa Econômica, Eletrobras e Petrobras.

Destacou-se no evento o discurso do senador Roberto Requião, presidente de honra da frente. Contrário à nova política liberal, Requião afirma que as ações do governo não trarão o resultado econômico esperado e abordou casos como dos Estados Unidos e Alemanha dos anos 70, que superaram uma recessão econômica voltando-se a criação de emprego e aumento do poder de compra da população.

José Paulo Porsani, presidente do SINTPq, participou do evento e afirma que o movimento passa também pela defesa do desenvolvimento da educação e na ciência e tecnologia nacional. Para ele, esses fatores garantem a soberania nacional e impedem que o país seja condenado ao atraso. Porsani também comentou sobre a EC 95, ementa instaurada que congela os investimentos do país por 20 anos, considerando-a um crime contra a nação.

Segundo pesquisas recentes do Datafolha, 67% da população se opõe à privatização das empresas públicas, sendo a venda da Petrobras a maior oposição: 65% dos entrevistados são contrários. A lista de estatais que o governo pretende privatizar nos próximos anos chegou a conter 17 empresas, conforme expresso pelo ministro da economia Paulo Guedes.

Coordenada pela deputada Leci Brandão (PCdoB), a frente contra a privatização foi organizada na Alesp como marco inicial para o debate público do assunto no estado. O evento é fruto da Frente em Defesa da Soberania Nacional, organizada pela senadora Zenaide Maia.

Universidades Públicas

No mesmo dia, autoridades e representantes de instituições de ensino reuniram-se para discutir o futuro de universidades públicas do estado. Coordenada pela deputada Beth Sahão, a mesa contou com a participação de Priscila Leal, diretora do SINTPq.

O debate destacou o contingenciamento feito pelo governo federal no orçamento das redes públicas de ensino superior de todo o país. Soraya Smaili, reitora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), abriu as discussões ao apresentar o prejuízo que a redução nos recursos universitários causa em áreas de pesquisa científica e atendimento médico.

A deputada Beth Sahão ressaltou a estratégia de criar emendas no PPA, plano plurianual de gastos públicos, como opção para melhorar investimentos nas universidades e restabelecer seu bom funcionamento.

O evento contou com o apoio do SINTPq e demais entidades ligadas ao ensino público como a Adunicamp, Adusp, CRE IPT, dentre outros.

Por Fagner Silva | Comunicação SINTPq

 

voltar ao topo