Menu

Greve dos petroleiros é suspensa com avaliação positiva

Petroleiros e aposentados realizaram passeata e campanha de conscientização no centro de Paulínia (FOTO: Sindipetro SP) Petroleiros e aposentados realizaram passeata e campanha de conscientização no centro de Paulínia (FOTO: Sindipetro SP)

Na tarde de quarta-feira (27), após assembleias com os trabalhadores, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) suspendeu a greve nacional iniciada segunda-feira. Ao longo desses três dias, diversas manifestações ocorreram em todo o Brasil focadas em chamar a atenção da sociedade para as políticas de demissões e reajustes constantes nos preços de combustíveis promovidos pela atual gestão da Petrobrás.

Mesmo em estado de greve, os petroleiros cumpriram o compromisso de garantir a produção e abastecimento de combustíveis para todo o país. Toda mobilização foi considerada positiva pela categoria e contou com passeatas de conscientização, ações solidárias, doação de sangue e distribuição de cestas básicas.

A greve foi motivada pelo descumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), mediado pelo TST, por parte da Petrobrás. Segundo a FUP, a empresa atrelou metas de segurança, saúde e meio ambiente ao pagamento de bônus e concessão de vantagens. Para a federação esses critérios ferem o ACT e podem precarizar as condições de trabalho além de elevar o desemprego.

Durante negociação, os petroleiros incluíram em sua pauta de reivindicações o pedido de redução nos preços de gasolina, diesel e gás natural. Os profissionais argumentam que a empresa tem plenas condições de aplicar preços mais acessíveis para a população, defendendo a existência de um controle social que garanta preços justos a todos os brasileiros.

A federação não descarta uma nova greve e já organiza ações contra a possível privatização da empresa. Com o slogan “Petrobrás: venda à vista, consequências a prazo” todo setor e sindicatos iniciam sua campanha em defesa do patrimônio nacional.

Por Fagner Silva | Comunicação SINTPq
Com informações de Rede Brasil Atual e Sindipetro SP

voltar ao topo