Menu

Comunicação

Boletins

O Jornal Mural do SINTPq é publicado mensalmente e distribuído de forma gratuita nas empresas de nossa base. Seu conteúdo aborda as últimas notícias referentes ao SINTPq e aos fatos que interferem na vida do trabalhador e em seus direitos. As inovações e políticas publicas voltadas ao setor tecnológico também recebem destaque nas edições, uma vez que estão diretamente relacionadas aos interesses dos profissionais por nós representados. Confira abaixo as últimas edições do nosso Jornal Mural.

2018

Edição Novembro - Dezembro 2018

Edição Agosto - Setembro 2018

Edição Junho - Julho 2018

Edição Abril - Maio 2018 

Edição Fevereiro - Março 2018

2017

Edição Dezembro/2017

Edição Novembro/2017

Edição Outubro/2017

Edição Setembro/2017

Edição Agosto/2017

Edição Julho/2017

Edição Junho/2017

Edição Maio/2017

Edição Abril/2017

Edição Março/2017

Edição Fevereiro/2017

Edição Janeiro/2017

2016

Edição Dezembro/2016

Edição Novembro/2016

Edição Outubro/2016

Edição Setembro/2016

Edição Agosto/2016

Edição Julho/2016

Edição Junho/2016

Edição Maio/2016

Edição Abril/2016

Edição Março/2016

Edição Fevereiro/2016

Edição Janeiro/2016

2015

Edição Dezembro/2015

Edição Novembro/2015

Edição Outubro/2015

Edição Setembro/2015

Edição Agosto/2015

Edição Julho/2015

Edição Junho/2015

Edição Maio/2015

Edição Abril/2015

Edição Março/2015

Edição Fevereiro/2015 

Edição Janeiro/2015

2014

Edição Dezembro/2014

Edição Novembro/2014

Edição Outubro/2014

Edição Setembro/2014

Edição Agosto/2014

Edição Julho/2014

Edição Junho/2014

Edição Maio/2014

Edição Abril/2014

Edição Março/2014

Edição Fevereiro/2014

Edição Janeiro/2014

 

 

 

Cidadão pode verificar via internet se empregador está depositando contribuições ao INSS

Os segurados da Previdência Social, que têm parte da contribuição ao INSS feita por um empregador, podem conferir se essas contribuições estão sendo feitas corretamente.

Basta consultar o Cadastro Nacional de Informações Sociais (Cnis) no portal da Previdência Social por este link . É necessário informar o NIT/PIS/Pasep e a senha; que, por segurança, só pode ser retirada numa Agência da Previdência Social.

O atendimento para obtenção dessa senha deve ser agendado pelo página da Previdência Social na internet ou pela Central de Atendimento 135.

Os segurados correntistas do Banco do Brasil podem fazer a verificação nos caixas eletrônicos, pedindo um Extrato de Vínculos e Contribuições (opção 20 – outros extratos), e no portal bb.com.br. Já os clientes da Caixa Econômica Federal podem acessar o extrato por meio do internet banking e fazer a conferência.

Já o recolhimento do Fundo de Garantia por tempo de Serviço (FGTS) deve ser verificado na Caixa Econômica Federal.

Fonte: Ministério da Previdência Social

LinkedIn supera marca de 20 milhões de usuários no Brasil

O LinkedIn anunciou na última segunda-feira (9) que superou a marca de 20 milhões de usuários no Brasil. Com isso, o país fica em terceiro no ranking mundial de perfis da rede social profissional mundo todo, atrás apenas dos Estados Unidos e Índia.

Lançado em 2010 no Brasil, o LinkedIn tinha fechado 2012 com 10 milhões de usuários; número que saltou para 15 milhões no final do ano seguinte.

De acordo com a rede, o perfil dos usuários se diversificou bastante nestes cinco anos de presença no Brasil. Se no início o padrão eram usuários das áreas de TI e Telecomunicações, hoje esse leque está bem maior, incluindo setores como Educação, Recursos Humanos, Saúde e Bem Estar, Marketing, Construção e Finanças.

Além disso, vale destacar que a participação de mulheres aumentou consideravelmente no LinkedIn Brasil, passando de 31% para 45%.

Mundo

No total, a plataforma, que ganha dois novos usuários a cada segundo, possui aproximadamente 347 milhões de usuários no mundo todo.

Fonte: IDGNow

Anatel estabelece número mínimo de orelhões em funcionamento

Despacho publicado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) no Diário Oficial da União exige que o Grupo Oi mantenha um mínimo de 90% de orelhões instalados em cada estado em pleno funcionamento, sob risco de multa diária de R$ 50 mil.

Nas localidades atendidas somente por acesso coletivo o mínimo imposto pela Anatel é de 95% dos orelhões em operação.

Em caso de descumprimento do despacho, o grupo também tem a opção de fornecer chamadas gratuitas nos orelhões.

A Oi tem um prazo de cinco dias para informar à agência o interesse em conceder gratuidade nas chamadas nos estados afetados.

Fonte: Agência Nacional de Telecomunicações

Assinar este feed RSS