Menu

Comunicação

Cesta básica e contribuição negocial: Esclarecimentos do SINTPq sobre o comunicado da FIPT

O SINTPq, assim como os trabalhadores da FIPT, foi pego de surpresa com o comunicado da Fundação, datado erroneamente em 5 de agosto, uma vez que foi disponibilizado no dia 5 de setembro. Vamos aos pontos:

BENEFÍCIO CESTA BÁSICA

A primeira parte do referido comunicado faz menção à nova prática adotada pela FIPT no pagamento do benefício cesta básica, a partir do mês 09/2018, por meio de crédito no cartão BIQ Benefícios.

Não há nenhuma ilegalidade nesta nova prática. Entretanto, a FIPT deveria ter alertado com antecedência os trabalhadores que adotaria o crédito em cartão, e não mais em dinheiro. Dessa forma, os profissionais poderiam se programar, sem serem pegos de surpresa, uma vez que esse dinheiro já fazia parte do planejamento financeiro de muitas famílias FIPTeanas.

CONTRIBUIÇÃO NEGOCIAL

No mesmo comunicado, a FIPT traz orientações sobre a contribuição sindical. Durante o processo negocial, ficou acertado que Sindicato e Fundação sentariam para elaborar um documento único de concordância, ou oposição, à contribuição negocial aprovada na assembleia de construção da Pauta de Reivindicações e referendada na subsequente, que aprovou a proposta negociada entre o Sindicato e a FIPT.

Esta conversa está em andamento e cabe ressaltar que a proposta do Sindicato da referida Taxa Negocial foi pensada em alternativa a não mais existência da Contribuição Sindical Obrigatória, aquele dia de trabalho que até 2017 era descontado compulsoriamente de todos os trabalhadores, o que, em valores absolutos, representa exatamente 3,3%.

A reforma trabalhista trará cada vez mais dificuldades na relação capital-trabalho e o lado mais fraco dessa relação, os trabalhadores, sairão perdendo caso não tinham quem os represente e defenda, papel este cumprido pelos sindicatos idôneos.

O SINTPq, desde que começou a representar os trabalhadores da FIPT, tem conseguido conquistas importantes e nosso trabalho só conseguirá se manter e avançar se os trabalhadores se filiarem e entenderem a importância da representação sindical e sua sustentabilidade financeira.

Eurofins apresenta contraproposta e assembleia é marcada para 18/09

Na próxima terça-feira, dia 18, os profissionais da Eurofins se reúnem para avaliar a contraproposta da empresa. A assembleia acontece às 9h30, no quiosque do Condomínio Industriale.

As condições oferecidas pela Eurofins, apresentadas após negociação com o sindicato, estabelecem:

Piso Salarial: Reposição de IPCA aos salários iniciais. Desta forma, a função de auxiliar de laboratório, passa de R$ 1.599,44, para R$1.671,00

Reajuste Salarial: Aplicação apenas do índice do IPCA de 4,48%, sem aplicação de nenhum valor de aumento real, sobre este número para os salários;

Adicional de Permanência: Reposição de IPCA ao adicional de permanência, que será de 4,48%. Desta forma, o valor atual de R$58,00 para R$ 61,00.

Auxílio Refeição: Reposição do IPCA (4,48%) sobre o valor atual, que é de R$ 22,00, passando para R$ 23,00.

Complementação do auxílio doença previdenciário: Reposição do IPCA (4,48%) sobre o valor atual que é de R$ 2.223,51, reajustado para R$2.330,75.

Reembolso creche: Reposição do IPCA (4,48%) sobre o valor atual, que é de R$305,37 para R$ 320,00.

Auxílio de Idiomas: Alteração em 11% sobre no benefício, cujo valor atual é de R$ 135,47 para R$ 150,00 a todos os empregados.

Homologações: Manutenção das homologações no sindicato.

Contribuição negocial: Concordância com a cláusula aprovada.

As demais reivindicações dos funcionários foram recusadas pela direção da Eurofins.

Venha manifestar sua opinião sobre a proposta da empresa. Participe da assembleia e registre seu voto. O momento é de decisão e a presença de todos é fundamental.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

Pelo presente edital, o SINTPq – Sindicato dos Trabalhadores em Atividades (Diretas e Indiretas) de Pesquisa e Desenvolvimento em Ciência e Tecnologia de Campinas e Região, convoca todos os trabalhadores da Eurofins a participarem da Assembleia Geral Extraordinária, a ser realizada em 18 de setembro de 2018, às 9h30, no quiosque do Condomínio Industriale, para deliberar a seguinte ordem do dia:

1) Deliberação da contraproposta da empresa para assinatura do Acordo Coletivo de Trabalho 2018/2019;
2) Campanha de Sindicalização;
3) Outros assuntos.

Fica estabelecido que não havendo quórum, a Assembleia será realizada, em segunda convocação 30 minutos após, com qualquer número de presentes.

José Paulo Porsani
Presidente SINTPq

Negociações com data-base em agosto já estão em andamento

Durante o mês de agosto e começo de setembro, o SINTPq deu início a maioria das negociações com essa data-base. Em algumas delas, as campanhas salariais já foram encerradas, com a aprovação dos profissionais em assembleia. Nas demais, as contrapropostas deverão ser definidas em breve e, em seguida, novas assembleias serão convocadas.

Na FEALQ, o Acordo Coletivo de Trabalho 2018/2019 foi fechado ainda em 1º de agosto. A negociação do sindicato garantiu resultados positivos para os funcionários e funcionárias, como a obtenção de 1,02% de aumento real (acima da inflação) em todos os salários.

As negociações na JAPH também foram encerradas no início de agosto. O novo acordo garantiu a recomposição salarial conforme o IPCA (4,48%). Outras importantes garantias foram obtidas, como a continuidade das homologações com a assistência do sindicato e a ultratividade do Acordo Coletivo, o que garante sua validade até que um novo seja assinado.

CNPEM entra em segunda rodada negocial

Em assembleia no dia 24 de agosto, os profissionais do CNPEM rejeitaram a primeira contraproposta da empresa, que sequer reajustava os benefícios econômicos. Após a recusa por ampla maioria, os funcionários discutiram as prioridades para a nova rodada negocial, sendo elas:

  • • Reajuste salarial de 6% | IPCA (4,48%) + 1,52% de aumento real;
  • • Aplicação do mesmo índice nos benefícios e na tabela de participação.

Os trabalhadores também defendem a garantia da data-base, a melhoria do transporte fretado e a aplicação do plano de carreira e das avaliações de desempenho.

Data-base novembro

Em relação às empresas com data-base em novembro, o SINTPq realizou uma bateria de assembleias para deliberar suas respectivas pautas de reivindicações. As discussões aconteceram nas empresas SIDI, NXP, CTC, FACTI, Syntech, Venturus, FITec, Eldorado, Cargill, CPqD, Daitan e Monsanto.

Entre os itens mais demandados pelos trabalhadores, estão a correção salarial pelo IPCA e 3% de ganho real, reajustes no VR/VA, melhorias no auxílio creche e licença paternidade de 20 dias. O sindicato enviou as pautas formalmente às empresas e aguarda a abertura das negociações. Assim que as contrapropostas forem apresentadas, os funcionários serão convocados para manifestarem seu voto.

Conquistas da campanha salarial dos bancários injetarão R$ 10 bi na economia

De acordo com o levantamento feito pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), o acordo salarial firmado no final de agosto entre a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) e a categoria, que garantiu aos trabalhadores um reajuste salarial de 5% – reposição integral da inflação e aumento real estimado em 1,18% – terá um impacto positivo de aproximadamente R$ 10 bilhões na economia brasileira até o final deste ano.

Os dados da entidade sindical contrariam os argumentos dos setores patronais e de parte dos candidatos que disputam as eleições de 2018 e são críticos às campanhas salariais que reivindicam aumento real. Segundo a presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira, os ganhos são fundamentais para a retomada do crescimento, por garantir o poder de compra dos trabalhadores, o que, por sua vez, movimenta a economia.

"Quanto mais direito o trabalhador tem, quanto melhor o salário, mais a economia ganha", afirma Juvandia à repórter Michelle Gomes, do Seu Jornal, da TVT. "Ao contrário do que alguns candidatos estão dizendo que para ter emprego não pode ter direitos e, isso é um absurdo, na verdade, é quando você tem emprego de qualidade com salário direito é que a economia ganha e gera mais empregos ainda", explica a presidenta.

Desde 2004 os bancários têm conquistado ganho real e, com o novo acordo, o aumento acumulado até 2019, será de cerca de 23% nos salários e 44,7% no piso da categoria.

por Redação Rede Brasil Atual

Assinar este feed RSS