Menu

Comunicação

Inflação e nova legislação dificultam negociações do segundo semestre

Se em 2017 grande parte das campanhas salariais com data-base em novembro conseguiram ganhos reais nos salários, neste ano, o cenário foi dificultado com a inflação mais alta e os primeiros impactos da reforma trabalhista. Enquanto o IPCA acumulado em novembro do ano passado era de 2,7%, o atual está em 4,56%. Além disso, sindicato e trabalhadores precisaram resistir as tentativas de retiradas de benefícios.

Com o fim de diversas garantias legais, muitas empresas estão buscando reduzir benefícios e impor retrocessos nas relações de trabalho por meio de mudanças nos acordos coletivos. Neste quadro adverso, em muitas campanhas salariais, a manutenção dos direitos já existentes tornou-se o foco principal da negociação.

Felizmente, o SINTPq e os trabalhadores têm conseguido resistir até aqui, recusando as contrapropostas ruins e organizando mobilizações, como a greve realizada na Amazul.

A expectativa para o próximo ano é enfrentar dificuldades ainda maiores. A afirmação de que o trabalhador deve escolher entre emprego ou direitos, feita pelo presidente eleito, e o fim do Ministério do Trabalho deixam claro qual será a postura do governo em relação às pautas trabalhistas. Mais do que nunca, a união da categoria e o trabalho conjunto com o sindicato serão fundamentais.

Luta coletiva traz resultados

Em março, os profissionais da Amazul paralisaram suas atividades por três dias, iniciando um processo de dissídio coletivo de greve. No Tribunal Regional do Trabalho (TRT), sindicato e trabalhadores foram vitoriosos, com o tribunal determinando reajuste de 10,24%.

A empresa iniciou um recurso para suspender a aplicação da sentença enquanto recorria no Tribunal Superior do Trabalho (TST). No dia 03/12, a justiça decidiu pela aceitação parcial do recurso, garantindo o pagamento de 2,08% retroativos a janeiro. O reajuste de 10,24% segue no TST e ainda será julgado. Essa vitória parcial é resultado da mobilização dos trabalhadores e do SINTPq. Sem a greve, não haveria qualquer reajuste ou chance de vitória, uma vez que a proposta apresentada pela Amazul na época foi de 0%.

Fundepag: Assembleia no dia 17/12 debate encaminhamentos da campanha salarial

Depois da assembleia realizada em 8 de outubro, que rejeitou a contraproposta da empresa, sindicato e Fundepag realizaram diversas conversas sobre a campanha salarial. Apesar da insistência do SINTPq, a direção da empresa não aceitou mudar as condições anteriormente oferecidas.

Como as tentativas de negociação não obtiveram retorno, o sindicato optou por convocar nova assembleia para ouvir os trabalhadores. Dessa forma, o próximo encontro acontece na segunda-feira (17), às 15h, no auditório do Ital.

Durante a assembleia, os funcionários e funcionárias poderão manifestar sua opinião e decidirão os próximos passos da campanha salarial. Como a empresa insiste em não reavaliar sua contraproposta, os trabalhadores ficam em uma situação sem muitas alternativas.

Será necessário rediscutir a contraproposta que já foi rejeitada. Dessa vez, ou a mesma é aprovada ou serão iniciadas mobilizações, como paralisações e greve, para que a Fundepag reveja sua posição. Compareça na assembleia e contribua com esse debate decisivo.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

Pelo presente edital, o SINTPq – Sindicato dos Trabalhadores em Atividades (Diretas e Indiretas) de Pesquisa e Desenvolvimento em Ciência e Tecnologia de Campinas e Região, convoca todos os trabalhadores da Fundepag a participarem da Assembleia Geral Extraordinária, a ser realizada em 17 de dezembro de 2018, às 15h, no auditório do Ital, para deliberar a seguinte ordem do dia:

1) Deliberação da contraproposta da empresa para assinatura do Acordo Coletivo de Trabalho 2018/2019;
2) Em caso de recusa da contraproposta, discussão e deliberação de calendário de mobilizações e greve;
3) Campanha de Sindicalização;
4) Outros assuntos.

Fica estabelecido que não havendo quórum, a Assembleia será realizada, em segunda convocação 30 minutos após, com qualquer número de presentes.

José Paulo Porsani
Presidente SINTPq

Sindicato e IPE assinam Acordo Coletivo de Trabalho

Nesta semana, SINTPq e Eldorado assinaram o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) 2018/19, aprovado na última assembleia. O documento já foi encaminhado para registro no Ministério do Trabalho e Emprego. Dessa forma, todas as cláusulas do documento estão em vigor, de forma retroativa a novembro.

Acesse o link e confira os detalhes do novo ACT.

Venturus: Assembleia rejeita contraproposta e define prioridades da negociação

Em assembleia na manhã de ontem (11), os profissionais do Venturus votaram pela rejeição da contraproposta da empresa para a campanha salarial. A decisão foi deliberada pela ampla maioria dos funcionários, que demonstraram insatisfação com as condições do bônus e do plano médico.

Após a votação, os presentes debateram as posições e prioridades para a próxima rodada negocial. Nesse momento, os trabalhadores se manifestaram contra a implementação do banco de horas, proposto pela empresa durante as negociações. Também foram definidas as seguintes reivindicações:

  • • Bônus de, no mínimo, 80%;
  • • Criação de uma comissão de funcionários para debater os objetivos e critérios do abono;
  • • Manutenção do calendário de dias pontes;
  • • Assistência médica para todos nas mesmas condições praticadas para os gerentes.

O SINTPq notificou a empresa sobre o resultado da assembleia e uma nova reunião negocial foi agendada para sexta-feira, dia 14, às 9h30, na sede do sindicato.

Assinar este feed RSS