SINTPq inicia campanhas salariais da data-base novembro

Pautando a redução de jornada de trabalho, sindicato inicia o processo com o recebimento de sugestões via e-mail

29/07/2022

As campanhas salariais com data-base em novembro estão começando! A partir de 1º de agosto, as trabalhadoras e trabalhadores poderão enviar sugestões para a pauta de reivindicações deste ano. As contribuições devem ser enviadas ao e-mail campanhasalarial@sintpq.org.br até o dia 12/08. Não se esqueça de informar o nome da sua empresa no e-mail.

As empresas com data-base em novembro são:

  • Cargill
  • CPQD
  • CTC
  • Encora
  • Facti
  • Eldorado
  • Oxitec
  • SiDi
  • SynTech
  • Venturus

Após o prazo para envio de sugestões, serão marcadas assembleias para formação de pauta, onde serão debatidas as contribuições enviadas e outras que surgirem durante o encontro. Questões que não forem tratadas durante esse processo só poderão ser retomadas na próxima campanha salarial. 

Neste ano, o SINTPq pretende pautar a redução da jornada de trabalho nas discussões com os profissionais e empresas da categoria. A luta histórica da classe trabalhadora pela redução das jornadas de trabalho sem redução de salários vem ganhando adeptos de peso e provando que é viável e lucrativa para as empresas.

Em diferentes países, empresas já adotam ou, pelo menos, realizam testes reduzindo o expediente de trabalho. De acordo com reportagem da revista Exame, em 2019, a filial da Microsoft no Japão testou um modelo de quatro dias úteis por semana e verificou aumento de 40% no faturamento. Na Inglaterra, pesquisadores estão realizando um estudo sobre a semana de trabalho de 4 dias. Cerca de 30 empresas britânicas estão passando por um período de testes, que deve durar seis meses. O objetivo é monitorar mudanças na produtividade e na satisfação dos funcionários.

No Brasil, o modelo já foi aplicado em algumas empresas e dá sinais positivos. A Zee.Dog, empresa mineira de produtos para pets, foi uma das primeiras a adotar a semana de 4 dias, a direção afirma que houve aumento na produtividade e 100% dos funcionários ficaram satisfeitos. Em Rio das Pedras-SP, uma fábrica de embalagens reduziu a jornada para 6 horas diárias e viu a produtividade aumentar em 25%. Há diversos outros exemplos, como a Novahaus, empresa de tecnologia de Franca-SP e a agência gaúcha Shoot, que afirma ter aumentado em 300% a procura por vagas.

O presidente do SINTPq, José Paulo Porsani, defende redução da jornada de trabalho para que os trabalhadores e trabalhadoras também sejam beneficiados pelo aumento de sua produtividade. “Com o avanço das tecnologias, não há dúvidas de que produzimos mais em menos tempo. A questão é que o capital sempre se apropria do avanço tecnológico para ampliar o acúmulo financeiro. Está mais do que na hora dos trabalhadores também desfrutarem desse avanço reduzindo suas jornadas”, afirma.

Com o objetivo de participar ativamente desse importante processo de mudança, o sindicato já tem dialogado sobre o tema com trabalhadores e empresas da base desde o início de 2022. Filó Santos, diretora do sindicato e profissional do CPQD (Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações) ressalta que o modelo beneficia não só o trabalhador como também as empresas. Ela defende que esse debate se estenda ao empresariado.

“Muitos empresários podem se surpreender com os benefícios que a redução de jornada pode trazer para sua empresa e, indiretamente, para toda a população ao redor. Existe resistência até entre os próprios trabalhadores em tratar desse assunto, pois se trata de uma mudança cultural, que, como tal, exige um debate aprofundado com a sociedade”, afirma Filó.

Se você também vê a redução da jornada de trabalho como um importante passo para a melhora na qualidade de vida, não deixe de participar da construção da pauta reivindicatória deste ano. Coletivamente, essa e outras questões serão debatidas visando avanços no poder de compra, nos benefícios, na saúde mental e no bem-estar geral dos profissionais da categoria.