Menu

Amazul: Valores dos dissídios de 2018 e 2019 serão pagos em janeiro

Greve realizada em março deste ano reuniu centenas de trabalhadores nas unidades de São Paulo e Iperó Greve realizada em março deste ano reuniu centenas de trabalhadores nas unidades de São Paulo e Iperó

Durante reunião negocial na tarde de ontem (26), a direção da Amazul informou que fará no próximo mês o pagamento da diferença de 0,89%, referente ao Dissídio 2018 e retroativa a janeiro/2018, e dos 2,5% de reajuste oriundos do Dissídio 2019, de forma retroativa a janeiro deste ano. Com isso, os valores estarão disponíveis na conta de cada trabalhador e trabalhadora no início de janeiro. Essa notícia representa uma grande vitória para os profissionais da Amazul, que após tanta luta receberão os devidos reajustes.

Em relação ao Dissídio 2019, mesmo após o pagamento dos 2,5%, o processo seguirá na justiça, havendo possibilidade de ainda obter-se a inflação completa do período. A assembleia dos trabalhadores que decidiu pelo dissídio deixou claro que a luta será pela recomposição da inflação. Esse é o objetivo do recurso movido pelo sindicato.

Caso os 2,5% tivessem sido aceitos passivamente, como muitos sugeriram, não haveria mais qualquer possibilidade de ganho futuro. A direção do SINTPq possui 29 anos de experiência em embates do tipo e sabe quais as melhores estratégias a serem seguidas na luta em defesa dos interesses dos trabalhadores.

Também é importante que essa vitória promova a conscientização dos profissionais que ainda não são sindicalizados. Sem todo o embate conduzido pelo SINTPq, nas greves e na esfera jurídica, os funcionários da Amazul teriam que engolir as propostas de 0% apresentadas pelos órgãos de controle. Infelizmente, o sindicato não conta sequer com 10% de associados na empresa, índice que não faz jus à toda a luta desempenhada e às vitórias obtidas até aqui.

O trabalho do SINTPq demanda apoio financeiro dos trabalhadores. Como manter um departamento jurídico atuante sem recursos? Como manter o sindicato com funcionários e estrutura necessária para travar todas as batalhas lidando com receitas escassas? Desde 2017, na Amazul, o SINTPq conta apenas com os recursos oriundos das mensalidades dos sindicalizados. Se você ainda não é sócio, registre sua associação e contribua com essa luta.

Uma nova batalha vai começar: Empresa e governo querem retirar benefícios

Pelo quarto ano seguido, os trabalhadores da Amazul são ameaçados de perder direitos e benefícios. O Governo Federal e a direção da Amazul mudaram, mas continuam as ameaças e o desrespeito com quem carrega nas costas um projeto tão importante para o país.

Novamente, qualquer reajuste nos salários e benefícios foi negado. Como se isso não fosse suficiente, na reunião de ontem, a empresa informou que pretende suprimir e alterar diferentes cláusulas do atual Acordo Coletivo de Trabalho.

A primeira delas é o Vale Refeição, que deixaria de ser pago nas férias, fazendo com que os trabalhadores tenham a disposição apenas as refeições servidas nos ranchos. A empresa também pretende fazer alterações de texto em várias cláusulas, como auxílio funeral, assistência médica, ausências autorizadas e férias.

Em relação aos profissionais turnistas, eles deixarão de ter reflexos de horas extras quando não usufruírem dos intervalos para refeição e descanso. Essas horas extras serão substituídas por bonificações.

Para rejeitar essa proposta vexatória e dar início à luta contra mais essa tentativa de retrocesso, o SINTPq realizará assembleia no dia 9 de dezembro, em São Paulo, no auditório do IPEN, às 9h. Em Iperó, a assembleia acontecerá no dia 10/12, no auditório do CEA, às 8h30. Participe, traga seus colegas de trabalho e fortaleça mais essa batalha em defesa dos direitos dos profissionais da Amazul.

Assistência médica

A empresa aceitou que o sindicato eleja nas próximas assembleias dois representantes para participar da comissão que já está discutindo o novo modelo da assistência médica. Um representante será eleito em São Paulo e outro em Iperó.

ASSEMBLEIA EM SÃO PAULO | 09/12 ÀS 9H
AUDITÓRIO DO IPEN

ASSEMBLEIA EM IPERÓ | 10/12 ÀS 8H30
AUDITÓRIO DO CEA

voltar ao topo