SINTPq lança pesquisa sobre saúde mental no trabalho

Por meio da pesquisa, o SINTPq colherá subsídios para buscar melhorias nas negociações coletivas

08/09/2022

Setembro marca o início de uma grande campanha pela valorização da saúde mental e prevenção ao suicídio, o "Setembro Amarelo". Pensando na ampliação desse debate e no desenvolvimento de ações futuras, o SINTPq está realizando uma pesquisa sobre saúde mental com toda a categoria. 

PESQUISA SINTPq - SAÚDE MENTAL NO TRABALHO

Colher opiniões e manifestações dos trabalhadores e trabalhadoras sobre o tema será fundamental para a construção de diálogo com as empresas. Nesse sentido, o sindicato espera contribuir para que essa discussão não se resuma ao mês de setembro. Responda a pesquisa e ajude o SINTPq nesta causa.

Um grande avanço no cuidado à saúde mental foi alcançado na última campanha salarial realizada no CNPEM (Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais). A partir da vigência do novo acordo, o CNPEM implementará novas medidas de cuidado da saúde mental, com a manutenção de profissionais da área dentro do Centro.

A conquista no CNPEM é fruto da participação dos trabalhadores e trabalhadoras na construção da pauta de reivindicações e da atuação direta do sindicato, especialmente na figura de Lidiana Moraes, dirigente sindical e profissional do Centro. Ela fez parte da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) e atuou internamente para o desenvolvimento do tema.

Lidiana defende que as empresas assegurem esses cuidados como política de prevenção a acidentes de trabalho, em especial na área de pesquisa, onde o foco é a produção de conhecimento. “Meu principal objetivo na CIPA foi tentar institucionalizar o cuidado de saúde mental dentro do laboratório. Inclusive, nesse último Acordo Coletivo, isso foi aprovado. É uma baita vitória”, conta a dirigente.

Diretora Lidiana Moraes durante assembleia da última campanha salarial do CNPEM, que alcançou avanços na questão da saúde mental

Prevenção

Em Campinas, o CEREST – Centro de referência em Saúde do Trabalhador oferece, gratuitamente, assistência médica especializada para trabalhadores com problemas de saúde relacionados ao trabalho, inclusive transtornos mentais. O centro também auxilia na construção de políticas públicas de saúde do trabalhador, além do planejamento e execução de ações junto ao SUS.

O atendimento do CEREST segue orientações do Ministério da Saúde, que classifica diversos transtornos mentais que podem ser relacionados ao trabalho, mostrando que já existe base científica e prática no assunto. O Caderno de Atenção Básica da Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora descreve episódios depressivos, estresse pós-traumático, alcoolismo e burnout como alguns dos casos a serem assistidos.

A saúde mental do trabalhador é um tema desenvolvido no mundo todo. Em entrevista à BBC, Paula Allen, líder global e vice-presidente de pesquisa e bem-estar total da empresa canadense de recursos humanos e tecnologia LifeWorks, afirmou que ainda há um tabu sobre os transtornos mentais, o que dificulta ações para o combate.

Para Allen, a estigmatização é causada pela falta de conhecimento geral da questão, mas as empresas podem colaborar com o avanço do tema: "É questão de comunicação contínua, treinamento e práticas organizacionais que ajudam as pessoas a se sentir seguras, com a certeza de que não serão penalizadas nem isoladas por terem dias bons e ruins, ou mesmo por problemas significativos com a sua saúde mental".