Em reunião da SBPC, Lula assume compromisso com a ciência nacional

O SINTPq está acompanhando de perto a série de debates “Encontro com os presidenciáveis”, promovida pela SBPC

29/07/2022

Lula discursa durante reunião anual da sociedade de cientistas brasileiros na UnB (FOTO: Ricardo Stuckert)

Durante a 74ª Reunião Anual da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou os ataques do atual governo à Ciência e Tecnologia e sinalizou avanços no setor caso seja eleito. O evento foi realizado na última quinta-feira, dia 28 de julho, na Universidade Federal da Bahia - UnB. Em discurso de 40 minutos, Lula lamentou os retrocessos das gestões Temer e Bolsonaro, afirmando que o impeachment da ex-presidente Dilma Rouseff (PT) deu início ao processo de desmonte das instituições públicas.

“Estou certo de que seremos capazes de fazer com que a pesquisa científica, a inovação e a educação sejam colocadas novamente no centro das questões nacionais. Que elas sejam revalorizadas como alavancas para o crescimento econômico, a reindustrialização do país e a redução da pobreza, buscando uma economia ambientalmente sustentável e solidária”, afirmou.

Agora, oficialmente, candidato à presidência, Lula relembrou as conquistas da C&T em seu governo e prometeu recuperar os orçamentos de agências de fomento federais, retomando políticas de incentivo ao setor. “Vamos revigorar o Conselho de Ciência e Tecnologia e envolver as sociedades científicas numa grande discussão sobre os problemas nacionais e suas soluções”, disse. Após citar o salto dos investimentos durante os governos petistas, Lula se colocou à disposição do atual presidente da SBPC, Renato Janine Ribeiro.

Para o ex-presidente, a pesquisa científica, a inovação e a educação devem ser parte da reindustrialização do país e da construção de uma economia solidária: “Precisamos promover ações de popularização e difusão da ciência e expandir o uso de tecnologias inclusivas e garantir a ampliação da cobertura de Banda Larga, levando conectividade a áreas remotas”.

A tecnociência solidária é um tema caro ao SINTPq, sendo pautado frequentemente nas reuniões periódicas com a diretoria. Nas últimas reuniões, o sindicato recebeu o doutor em Políticas de Ciência e Tecnologia, Rogério Bezerra, e o Prof. Dr. Renato Dagnino, pesquisador de Política Científica e Tecnológica. Os palestrantes abordaram a questão da tecnociência solidária e a atuação do SINTPq nesse campo.

O sindicato, junto ao IDET (Instituto Popular de Desenvolvimento em Educação, Trabalho e Tecnologia), vem avançando nas discussões e desenvolvendo projetos para envolver a categoria, as empresas e a sociedade. O SINTPq acredita que é fundamental que a tecnologia sirva aos trabalhadores e trabalhadoras, que devem usufruir dos avanços tecnológicos conquistados.

O presidente do SINTPq, José Paulo Porsani, acredita ser fundamental que os candidatos priorizem as políticas de CT&I e entende que o ex-presidente Lula já demonstrou a importância do tema quando exerceu a presidência. "Queremos uma política de tecnociencia solidária, onde as demandas sociais e o desenvolvimento tecnológico andem de mãos dadas. Precisamos que as empresas que recebem isenções fiscais, recursos do BNDES, Finep, entre outros incentivos, possam dar sua contribuição para o desenvolvimento da tecnociencia solidária. Eu espero que o ex-presidente Lula possa voltar a governar o país priorizando a CT&I juntamente com uma nova industrialização", afirmou Porsani.

Presidente do SINTPq, José Paulo Porsani, durante reunião do Conselho Municipal de CT&I de Campinas, no dia 24 de junho